TRE-MT realiza mutirão de atendimento em Aldeias de Feliz Natal e Marcelândia

Mais de 250 quilômetros percorridos em barcos, 17 aldeias, 232 eleitores indígenas atendidos, e a confirmação de três novas sessões eleitorais, desta vez, dentro do território indígena. Estes são alguns números do Mutirão em Ambiente Externo realizado pelos servidores da 32ª Zona Eleitoral nas aldeias que ficam na divisa entre os municípios de Feliz Natal e Marcelândia. O objetivo é garantir que este eleitor consiga sair de casa, votar nas eleições e voltar para sua casa ainda no mesmo dia. Trata-se de um verdadeiro desafio, conforme explicou o chefe de cartório que organizou o mutirão, Valdiney Rondon Maidana Gomes.

“Durante a última eleição foram três pontos de embarque para estes eleitores indígenas. No primeiro ponto, o Sobradinho, os índios precisavam se deslocar três horas de barco, e mais cinco de ônibus para poder votar. No segundo ponto, Rio Manito, eram quatro horas de barco e seis de ônibus, e já no terceiro, Xingu, oito horas de ônibus”.

Veja a galeria de imagens no Facebook do TRE-MT em:

https://www.facebook.com/pg/tremtoficial/photos/?tab=album&album_id=2871830949498620

Além da distância, a viagem é muito cansativa, em estradas de terra esburacadas, em barcos estreitos cruzando os rios da região. “Vamos possibilitar que os indígenas votem em suas terras, na sua própria casa, não tenham essa dificuldade de viajar tanto, um caminho difícil e perigoso. Isso aumentará o número de eleitores. Neste mutirão, além da instalação destes locais de votação, fizemos todo o trabalho de atendimento destas pessoas, com transferência de títulos, alistamento eleitoral, o saneamento de dúvidas e outros serviços da Justiça Eleitoral”, destacou o juiz eleitoral em substituição, Rafael Siman Carvalho.

Os novos locais de votação serão instalados na Aldeia Sobradinho, Aldeia Aiporé, e Aldeia Tuba Tuba. “A urna estar disponível aqui Aldeia Sobradinho vai melhorar muito, vai facilitar, é importante. É muito sofrido fazer a votação na cidade, complicado, sem transporte, lá falta comida, é realmente muito difícil para nós”, reforçou o cacique da Aldeia Sobradinho, Sirave Kayabi.

Inclusão

Na tradição indígena das aldeias visitadas, o ato de cuidar dos filhos, da família, é uma atividade praticamente exclusiva da mulher. Dessa forma, como ir votar na cidade representa no mínimo dois dias afastados do lar, quando elas decidem ir votar, precisam levar os filhos para essa verdadeira ‘aventura’.

“Está sendo ótimo para mim e para todas as mulheres destas aldeias a instalação das urnas dentro da terra indígena. Não vamos precisar ir pra cidade pra votar. Essa foi uma ótima ideia e espero que sejam colocadas urnas em todas as aldeias dos nossos parentes, pra realmente facilitar a vida das mulheres, para as crianças verem o que é uma eleição”, cobrou vice-cacique da etnia Yudja, liderança da Aldeia Tuba Tuba, Yabaiwa Juruna.

Mesmo com a instalação dos novos três postos de votação, as aldeias da região precisarão se deslocar de barco até a urna eletrônica no dia eleição. Porém, a maior distância será percorrida em no máximo duas horas e meia.

Cidadania

“A criação destes locais de votação dentro das aldeias indígenas propicia aos eleitores o acesso e direito constitucional ao voto. Eles vão poder votar sem grandes dificuldades. Eu pude presenciar a dificuldade que eles têm no deslocamento, sendo fundamental que a Justiça Eleitoral chegue mais próximo, é o cumprimento da missão do TRE Mato Grosso. Dar o acesso às pessoas para que possam eleger os seus representantes e assim garantir cada vez mais a democracia a todos os cidadãos do Brasil”, conclui o chefe de Cartório da 32ª Zona Eleitoral, Valdiney Rondon Maidana Gomes.

O mutirão foi realizado entre os dias 11 e 14 de junho.

 

 

Por; Daniel Dino/ TRE-MT

26, junho, 2019|