TJ apresenta casos de sucesso em sustentabilidade

11/12/2018 – Coleta seletiva solidária, que abrange desde o descarte comum de papéis, mobília inutilizada, eletroeletrônicos, até a cadeia produtiva dos catadores organizados em cooperativas; painel fotovoltaico que gera energia elétrica por meio de vagas de estacionamento; conscientização da importância da arborização em crianças e adolescentes foram algumas das práticas sustentáveis de sucesso desenvolvidas pela administração pública que foram apresentadas em evento promovido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso este mês.

O projeto Verde Novo, desenvolvido pelo Juizado Volante Ambiental (Juvam) com vários parceiros, integrou o painel destacando os frutos colhidos pela Justiça Estadual no sentido de conscientizar a população cuiabana, sobretudo na faixa etária da infância e da adolescência, quanto à importância de plantar e cuidar de árvores no meio urbano.

De acordo com o gestor do Juvam, Hugo Pfanemuller, expositor do projeto, a importância da iniciativa “é enorme porque não é um projeto interno, só do Judiciário. É um projeto voltado para toda a sociedade cuiabana, em que se visa a conscientização das pessoas sobre a necessidade do plantio de árvores. Quanto maior for a oportunidade de divulgação desse projeto para atingir um maior número de pessoas, mais sucesso nós teremos”.

A servidora Natália Pansonato, do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT), apresentou a experiência de visitar todas as Varas do Trabalho do interior do Estado na tentativa de implantar coleta seletiva nas unidades judiciárias. Na sede do TRT, foi feita uma parceria com cooperativas de catadores de Cuiabá e Várzea Grande que recebem os mais diversos resíduos.

Na Seção Judiciária Federal de Mato Grosso, o estacionamento serviu de base para a instalação de 1080 placas de energia solar fotovoltaica que estão gerando 40 mil kWh por mês, em média, o que já representou uma economia de R$ 232 mil na conta de luz da instituição. O modelo foi apresentado pelo servidor Robson Oliveira da Cruz, diretor do Núcleo de Serviços Gerais da Justiça Federal.

“Essa interação é o início da formação da nossa rede socioambiental. O objetivo futuro é fazermos parcerias e também aprender com outros órgãos para vermos as práticas que eles executam, querer ser igual a eles e ampliar os projetos de sustentabilidade”, constatou o mediador do painel e membro do Núcleo Socioambiental do TJMT, Pablo Marquesi.

O painel de práticas sustentáveis compôs o 3º Encontro de Sustentabilidade promovido no TJMT no dia 7 de dezembro. Confira abaixo mais notícias do evento:

Por; Mylena Petrucelli

11, dezembro, 2018|