Sorriso: audiência pública aprova instalação da Rede de Frente para combater crimes contra a mulher

As consequências da cultura machista nos crescentes casos de violência contra a mulher foram o ponto central da audiência pública em Sorriso (420 km ao norte de Cuiabá). O encontro, na sexta-feira (12 de julho), no Fórum da cidade, reuniu representantes do Judiciário, Executivo e Legislativo de Mato Grosso, Prefeitura e Câmara de Vereadores do município, entidades de classe, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Subseção de Sorriso, instituições da segurança pública, lideranças religiosas e organizações da sociedade civil que atuam no Estado e na cidade.

Dentre as decisões tomadas na audiência, comandada pela desembargadora Maria Erotides Kneip, coordenadora da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Cemulher) no âmbito do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, está a aprovação do protocolo de intenções para a instalação, em Sorriso, da Rede de Frente – Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. “Estou muito feliz com essa decisão e com os desdobramentos que virão para que possamos combater essa triste  realidade”, frisa Maria Erotides.

A coordenadora do Cemulher afirma que a união e o comprometimento de todos os setores da sociedade, especialmente da administração municipal, por meio do prefeito e da primeira-dama e secretária de Assistência Social de Sorriso, Ari Lafin e Jucélia Ferro, farão a diferença nessa luta de combate à violência contra a mulher. “Homens e mulheres são completamente diferentes, mas jamais podem ser desiguais”, assegura a desembargadora.

“Demos um passo muito importante aqui, em Sorriso, para barrar essa onda de criminalidade”, assinala a advogada e membro da Associação Brasileira das Mulheres de Carreiras Jurídicas de Mato Grosso (ABMCJ-MT), Ana Emília Iponema Brasil Sotero. De acordo com a advogada, esse primeiro passo proporcionará o desenvolvimento de muitas ações no município.

“A aplicação da Lei Maria da Penha contra o agressor começa com um boletim de ocorrência, na Polícia Civil. Então, precisamos preparar, capacitar, todos os profissionais que estarão envolvidos nesse combate, da segurança pública, da saúde, por exemplo. A mulher precisa ser bem acolhida para ter coragem de romper o círculo da violência”, pontua Ana Emília.

“Essa audiência, e os resultados práticos que virão, justamente porque a nossa gestão municipal se coloca como participante ativa de todos os encaminhamentos que virão, é um marco para o município”, diz a secretária de Assistência Social, Jucélia Ferro. Ela destaca ainda que todos darão um basta nesse contexto de violência contra a mulher que tem manchado a história de sucesso de Sorriso, quando entrou na estatística estadual como o município com o maior número de feminicídios. Só entre junho e julho foram registrados vários casos de agressão contra mulheres, dos quais dois resultaram em morte. A primeira-dama afirma que o município está preparado para atuar com vários instrumentos, como a Patrulha Maria da Penha, da Polícia Militar.

O secretário estadual de Segurança Pública (Sesp), Alexandre Bustamante, disse que o alto índice de violência contra a mulher, além de ser preocupante, é alarmante e está sendo tratado com toda a atenção pelo governo. “Estamos aqui para reforçar nossa posição, porque, diferente dos outros índices de violência, o contra a mulher está subindo. Então, vamos utilizar estratégicas para combater essa criminalidade”, indica Bustamante, sustentando apoio do Governo de Mato Grosso às decisões da audiência pública.

A audiência pública foi organizada pelo juiz da 2ª Vara Criminal da Comarca de Sorriso, Anderson Candiotto, e contou também com a participação do Ministério Público e Defensoria Pública de Mato Grosso. “Estamos todos prontos para fazer o enfrentamento à violência contra a mulher, e mudar essa história”, sublinha o magistrado.

Sorriso, município fundado há 33 anos, de acordo com dados da prefeitura, tem cerca de 100 mil habitantes nas zonas urbana e rural. Considerado pelo setor como ‘capital do agronegócio’, ocupa a primeira colocação noranking nacional na produção de grãos, com a diversificação de culturas de soja, milho e algodão.

Por;Álvaro Marinho

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

16, julho, 2019|