Selma repudia OAB, enaltece Gaeco e defende investigações de combate à corrupção

A senadora juíza Selma Arruda (PSL) usou a tribuna do Senado Federal em defesa do trabalho desenvolvido pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), de Mato Grosso, nas investigações de corrupção no estado.  Seis representantes do Ministério Público de MT foram citados em depoimentos como sendo mandantes de interceptações ilegais, em um esquema batizado como ‘barriga de aluguel’. Ainda durante o discurso, Arruda repudiou a postura da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Para ela, a entidade, por algumas vezes, “tem fomentado a inversão de valores” no país.

Durante o pronunciamento, Selma recordou o caso envolvendo o ministro da Justiça e Segurança Púbica, Sérgio Moro, que teve seu celular invadido por hackers e suas mensagens pessoais publicadas em veículos de comunicação.

“Eu venho aqui para render as minhas homenagens ao pessoal do Gaeco, que eu vi trabalhando diuturnamente até a madrugada, virando noite, levantando documentos, fazendo análises minuciosas, sérias, que resultaram na condenação desses corruptos. E venho dizer aqui que eu não admito e não vou admitir que o nome do Gaeco seja aviltado, seja colocado à prova por quem quer que seja”, pontuou.

A senadora aproveitou para elogiar o trabalho desempenhado pelo ministro Sérgio Moro na condução da Operação Lava Jato, o Gaeco e o Ministério Público de Mato Grosso. “Fica aqui a minha saudação ao Gaeco e ao Ministério Público de Mato Grosso, ao juiz Sérgio Moro, aos procuradores que trabalham na Operação Lava Jato e nessas operações de combate à corrupção especialmente, para dizer a eles que é necessário que se faça cada vez mais que o povo enxergue que a Constituição Federal não foi feita para ocultar ou defender bandido. Nós temos uma Constituição muito boa, só precisamos interpretá-la corretamente. Não podemos nos igualar aqui querendo igualdade de direitos com quem não cumpre os seus deveres, com quem retira os nossos direitos”, destacou a parlamentar.

Já no final de seu pronunciamento, Selma demonstrou sua indignação em relação aos posicionamentos adotados pela Ordem dos Advogados do Brasil do Estado de Mato Grosso e à Ordem dos Advogados Nacional nos casos de corrupção. “Manifesto aqui meu repúdio à atitude da Ordem dos Advogados do Brasil do Estado de Mato Grosso, que tem acompanhado e fomentado essa inversão de valores. E também o meu repúdio à Ordem dos Advogados Nacional, que, da mesma forma, age, porque alguns de seus membros têm interesse próprio, em favor dessas organizações criminosas e, com isso, mancha o nome de advogados honestos que trabalham honestamente”, finalizou.

7, agosto, 2019|