Papai Noel pantaneiro faz a alegria de famílias em Ribeirãozinho

Autor do projeto “Inclusão Literária”, o historiador Clóvis Matos participou da expedição Araguaia Cidadão com o intuito de distribuir livros e conhecimento. Mas, durante a ação, ele foi além: vestiu a camiseta vermelha, característica do personagem que costuma levar alegria ao Pantanal mato-grossense, e o chapéu em vez do gorro e distribuiu presentes para famílias muito especiais em Ribeirãozinho (627km a sul de Cuiabá), na região do Araguaia.

Euzênia Marques Machado, de 37 anos, aproveitou o movimento incomum na pacata cidade para levar os três filhos para passear e tirar dúvidas. Alessandro (21 anos), Alexia (15 anos) e Aleixo (nove anos). O mais velho e o mais novo são deficientes. O primeiro teve meningite aos cinco meses e ficou com graves sequelas, como atraso no desenvolvimento intelectual, e sofre com crises de epilepsia. Já o caçula, além de ser portador de uma síndrome, tem autismo em grau moderado.

“Eu ouvi uma propaganda na rádio e também vi sobre o mutirão no Facebook do secretário de Educação. Vim aqui procurar a Justiça sobre um benefício para o Aleixo, pois não recebo benefício nenhum em relação a ele. Me encaminharam para a Defensoria e depois para o INSS. Aqui foi bom demais. Eles também gostam de passear, ver coisas diferentes”, salientou Euzênia. No mutirão, a família ganhou pares de sapato e roupas.

Segundo contou, o pai de Alessandro, que é pedreiro, tem a curatela do filho, que já recebe o benefício de um salário mínimo mensal. Mas, segundo ela, falta dinheiro para o tratamento do jovem. “Esse mês o médico passou remédio que custa R$ 1,6 mil por mês para o tratamento dele. Fomos na Defensoria para tentar. Os que ele já toma custam R$ 650, mas não estão mais fazendo efeito. Ele tem crises diárias de epilepsia, tem dia que tem 12, 13 crises”, revelou a mãe.

Euzênia elogiou a realização do mutirão Araguaia Cidadão no centro da cidade, com a presença de variados órgãos públicos. “Facilita muito. Aqui para tudo temos que ir a Barra do Garças. Então, quando tem essas coisas a gente aproveita. Até para levar eles para passear a gente aproveita, porque normalmente eles só vão na casa de parentes e na pracinha.” Sobre o trabalho da Justiça estadual, ela também teceu elogios. “A justiça às vezes é taxada, mas eu gosto muito. Se fala que é juiz, o povo fica até com medo. Mas, para mim, a justiça me ajuda muito”, salientou.

Sobre ser mãe de dois filhos deficientes, Euzênia, que trabalha meio período enquanto os meninos frequentam a escola, diz que a rotina é difícil, mas que “Deus me dá força”. “Eles são tudo para mim. Não me deixo abater e não demonstro fragilidade. Tento cuidar da melhor forma possível. Quando fui para São Paulo para ele fazer a cirurgia, fiquei com Alessandro sozinha. Fiquei um mês com ele lá. Agora vamos tentar esse novo remédio. Se não funcionar, ele vai ter que fazer a cirurgia de novo”, assinalou.

Visita em casa – Quem também recebeu a visita do Papai Noel pantaneiro, mas dessa vez em casa, foi a família da dona Francisca Oliveira Leite, de 88 anos. Ela estava na companhia do filho, o lavrador Carlos Leite, de 51 anos, e do bisneto Luis Guilherme, de 6 anos, quando o Papai Noel chegou.

“Muita felicidade, muita alegria. Nunca recebi visita do Papai Noel não, é a primeira vez. Foi uma sorte, um milagre, que Deus enviou. Fiquei feliz, achando que não merecia muita coisa, mas Deus é que faz as pessoas merecer. Fico até admirada. Deus que abençoe todos vocês”, desejou.

Outra casa visitada em Ribeirãozinho foi a do casal Tatiane Figueiredo, de 23 anos, e Maickon Silva Sales, de 22 anos, pais de Itariel (6), Rayssa (3), Melissa (2) e Enzo (1), beneficiada com calçado, roupa e livros. “Foi uma surpresa muito boa. Com certeza eles vão ficar muito felizes. Foi bom saber que vocês se lembraram da gente, já que não tive a oportunidade de ir até lá”, disse Tatiane. “As crianças ficam felizes em receber o Papai Noel em casa. É muito bom”, complementou Maickon.

Para a primeira-dama do município de Ribeirãozinho, Reila Alves Teixeira, o Araguaia Cidadão traz resultados significativos para a população. “Quero agradecer toda a equipe, o Poder Judiciário, por ter trazido esse projeto para cá. O social ajudou bastante, principalmente o INSS, porque temos muita demanda de idosos aqui. A gente sempre tem que levar para Barra do Garças para estar acompanhando e muitas vezes é difícil. Todo o serviço que foi ofertado aqui foi de suma importância, e agradeço ao projeto e a toda a equipe. Que voltem ano que vem, se Deus quiser.”

Por; Lígia Saito (texto e fotos) TJMT

27, agosto, 2019|