Marcha de educadores em defesa da escola pública tem apoio de estudantes

Pais e estudantes e profissionais da escola pública da Baixada Cuiabana e outras regiões do estado participaram nesta sexta-feira (28.06) do Ato da Educação convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), na Capital. Carregando faixas e fazendo pronunciamento em defesa da valorização dos trabalhadores da educação, estudantes de familiares integraram a passeata que percorreu a avenida Historiador Rubens de Mendonça, na altura da Praça Ulisses Guimaraes, subindo o viaduto da Secretaria de Estado de Fazenda, em direção a Secretaria de Estado de Educação, Casa Civil até o Palácio Paiaguás.

Com palavras de ordem cobraram proposta do governo Mauro Mendes para avançar no cumprimento da Lei 510/2013. A lei assegura até 2023 o direito a equiparação salarial dos educadores com as demais carreira do executivo, com o mesmo nível de formação. Após um mês de greve, o governo insiste em manter o calote como a única previsão de proposta. E mais, tenta desmobilizar a luta pelo cumprimento do direito, cortando salários dos educadores.

A resistência está instalada, carregando um caixão fizeram o cortejo do governador Mauro Mendes pelas ruas do Centro Político Administrativo (CPA). Com representantes de diferentes regiões do estado, participaram também da marcha fúnebre, aos gritos de “ô Mauro Mendes fala a verdade, Educação nunca foi Prioridade”, ou ainda, “a nossa luta unificou é estudante, funcionário e professor”.

Em frente ao Palácio Paiaguás, o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, fez o pronunciamento esclarecendo que o velório se deve a morte prematura do governador, depois do estelionato eleitoral de seu governo. Anunciou que o enfrentamento continuará em todo o estado. “A continuidade da greve se dará pelo tempo que for necessário. O que termina greve é proposta”, conclui.

 

Redação JA com informações da Assessoria

29, junho, 2019|