Júri de Rondonópolis julga crimes contra mulheres, parricídio e até facções criminosas

O Tribunal do Júri de Rondonópolis (212km a sul de Cuiabá) julgará 10 casos de crimes dolosos contra a vida no mês de agosto. Entre os casos estão quatro crimes contra a vida de mulheres que tentaram terminar um relacionamento. Além de assassinatos encomendados de dentro da prisão, por grupo criminoso conhecido nacionalmente, e até um parricídio (assassinato do pai).

 

Os júris iniciam nesta sexta-feira (2 de agosto) julgando um crime praticado contra a vida de uma mulher. O réu Leonildo Inácio Ferreira será julgado por ter deferido facadas pelas costas em sua companheira. A vítima estava responsável por cuidar da casa de uma família que estava em viagem. O companheiro teria ficado com ciúmes do serviço e lhe exigido que não fosse trabalhar. Após a negativa da vítima, o agressor teria surpreendido a mulher com as facadas nas costas. A vítima foi deixada no chão ensanguentada e só não morreu por conta do socorro de vizinhos (Processo 322034).

 

Na terça-feira (6 de agosto), um crime brutal que aconteceu na ‘Conveniência Fazendinha’ passará pelo crivo do Tribunal do Júri. O réu Cleo de Souza Silva, que possuía uma rixa com sua vítima, a encontrou no mesmo estabelecimento no dia do crime. Após ter ingerido compulsivamente bebida alcoólica, como narra o processo, o agressor, munido com um pedaço de madeira, deu vários golpes no rosto da vítima – que não sobreviveu ao ataque (processo 634197).

 

No dia 7 de agosto (às 9h), vai a julgamento Thales Henrique Gomes, acusado de homicídio triplamente qualificado. Como narra a ação, o réu teria golpeado a vítima com uma barra de ferro na cabeça. Ele estava na companhia de dois menores que o ajudaram no crime – motivado por motivo torpe, uma suposta nota falsa repassada em um bar da região (processo 641207).

 

Já no dia 12 de agosto (às 9h), está agendado o julgamento de Adriano Souza Costa e Lucas Fernando Alves de Carvalho por tentativa de assassinato, motivado pelo término de um namoro. Segundo consta no processo 602124, após a vítima terminar o relacionamento, passou a sofrer ameaças de morte de Adriano – seu ex. No dia dos fatos, o ex-namorado, juntamente com um comparsa (Lucas de Carvalho), saiu em uma motocicleta armado. Ao avistar a ex-namorada, o agressor teria desferido tiros na direção dela e só não concluiu o seu intento homicida porque a arma falhou três vezes, dando tempo da vítima e de outras pessoas que estavam em sua companhia fugir.

 

Na quarta-feira (14 de agosto) o caso de Benivaldo Alves da Silva vai a julgamento. O réu atropelou sua ex-esposa uma semana após ela sair de casa e pedir o divórcio. No dia do crime, Benivaldo avistou a vítima e um colega de trabalho em uma motocicleta e os perseguiu até atropelá-los. Após o fato, ainda desceu e desferiu vários golpes na vítima e só não conseguiu matá-la por conta da intervenção de outras pessoas. A ex-esposa ficou prensada entre o carro e o muro e teve graves sequelas físicas e neurológicas (processo 611420).

 

No dia 16 de agosto, mais uma tentativa de homicídio provocada pelo término de um relacionamento. O ex-companheiro não aceitou o fim da relação e passou a golpear com uma faca sua companheira. Mesmo tentando se desvencilhar e gritando por socorro, André Barbosa de Matos continuou seu intento criminoso. Com muita dificuldade, como narra o processo, a vítima conseguiu correr para a casa da vizinha e ser atendida pelo Samu. Quando o homem foi preso, não teve medo de ameaçar a vítima de morte assim que saísse da cadeia (processo 322034).

 

No dia 21 de agosto, Maria Estela dos Santos e Jerri Adriano da Silva Alves serão julgados por assassinato. Segundo consta no processo, o crime teria sido motivado por um boato, no qual a vítima teria dito que havia tido relações sexuais com a agressora. O casal réu foi até o ‘Bar do Patinga’ com uma arma de fogo com o intuito de tirar satisfações. Durante a discussão, a vítima começou a lutar contra Jerri, que estava armado, jogando o revolver no chão, momento que a mulher pegou a arma e efetuou os disparos. Com a vítima no chão, o homem pegou a arma e ainda efetuou outros disparos na cabeça da vítima (processo 337085).

 

No dia 26 de agosto, será realizado o julgamento do crime de assassinato motivado por vingança entre facções criminosas. O crime foi cometido dentro da Penitenciária Major Eldo de Sá a mando de facção de renome nacional (processo 654651).

 

O último julgamento do Tribunal do Juri de Rondonópolis, no dia 28 de agosto, encerra com um caso emblemático no qual o filho (menor de idade), em conluio com os demais réus, tramou a morte do próprio pai. Segundo narra o processo, a vítima havia se aliado aos réus para roubar óleo diesel e pneus de caminhões. Após desacordo entre os integrantes do grupo criminoso e com o auxílio do filho dele, os demais membros surpreenderam a vítima lhe agredindo até a morte. Vão a julgamento Gerson Daniel Spiering e Jose Carlos dos Santos Junior (processo 318727).

 

 

Por; Ulisses Lalio

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

31, julho, 2019|