Juíza fala sobre Poder Familiar para estudante de Direito de Rondonópolis

Sair do gabinete onde julga processos para levar conhecimento àqueles que estão se preparando para defender os direitos dos cidadãos. Esse foi o compromisso da juíza Maria das Graças da Costa, da Comarca de Rondonópolis (212 Km a sul de Cuiabá), na noite de terça-feira (8 de outubro), com os alunos do curso de Direito da Faculdade Uniasselvi.

Maria das Graças participou do II Café Jurídico, realizado entre 7 e 11 de outubro, com foco na temática Direito da Criança e Adolescente. A magistrada abordou o tema Poder Familiar, juntamente com a promotora de justiça Patrícia Eleutério Dower, e destacou que a Constituição afirma que é obrigação do Estado e da comunidade priorizar os direitos das crianças e dos adolescentes.

“O poder familiar é aquilo que nos liga, pais e filhos. Logo, é o conjunto de direitos e deveres que os pais têm em relação aos filhos e é isso que discutimos. Nós pais devemos cuidar de nossos filhos para que no futuro possam cuidar de nós idosos. Se nós não cuidarmos deles não teremos apoio. Esse trabalho feito com os alunos é maravilhoso e o faço com muito carinho porque são pessoas da minha comunidade a quem atendo com devoção.”

Bruno Moschen Flores, aluno do 4º semestre e também um dos organizadores do encontro, ressalta que a ação é perfeita para juntar a teoria que a faculdade fornece com a prática que os palestrantes têm. Flores diz ainda que já possui formação superior e atua na área de assistência social e o aprendizado repassado no Café é empregado diretamente no trabalho.

“Sou fã da juíza Maria das Graças, justamente porque é envolvida e engajada com o serviço que faz em Rondonópolis. Durante a palestra ficou claro o quanto tem amplo conhecimento no assunto e esse repasse de informações impacta diretamente no meu serviço, porque sou assistente social e atendo em uma das regiões mais carentes da cidade, que é a Grande Conquista. A assistência social atua junto com o Conselho Tutelar, Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas) em defesa das crianças e as informações de hoje me ajuda a ter uma visão mais ampliada sobre a situação de cada família visitada e também sobre como fazer o encaminhamento da forma mais precisa”, explica.

Depois das palestras, os estudantes podem debater o assunto com os convidados. A ideia é que possam, ao final, ter o pensamento crítico aguçado, o conhecimento acadêmico mais completo e atualizado e ainda serem estimulados a apresentar artigos científicos que tenham correlação com os temas propostos.

Por; Keila Maressa/ fotos: Yes Cine Vídeo

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

9, outubro, 2019|