Hacker suspeito de fraudar Exame de Ordem é alvo de busca e apreensão

Um hacker suspeito de cobrar valores em criptomoedas para aprovar candidatos que chegassem à segunda fase do Exame de Ordem foi alvo de mandado de busca e apreensão, nesta terça-feira (4/6), em investigação da Polícia Federal que apura fraudes bancárias pela internet, com roubo e revenda de dados de cartão de crédito. Ele teria invadido o sistema de informática da Fundação Getulio Vargas, responsável pela prova.

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil diz que pediu informações à PF sobre os autos e que tomará as medidas cabíveis. “A Ordem vem colaborando com a Polícia Federal na investigação, desde setembro de 2018, para que houvesse o desfecho exitoso que aconteceu no dia de hoje”, afirmou a Coordenação Nacional do Exame de Ordem.

A operação incluiu investigações na chamada deep web, parte da internet que não é acessível por usuários comuns por meio de mecanismos de busca padrão. Segundo a PF, a organização criminosa investigada tem abrangência nacional e teve sete líderes identificados.

Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva em São Paulo, Rio Grande do Sul e Ceará. Um dos investigados está foragido. Com informações da Assessoria de Imprensa da PF.Foto; Reprodução

5, junho, 2019|