Grupo de advogados pede que Moro seja afastado do Ministério da Justiça

Um grupo de mais de 750 advogados produziu um abaixo-assinado que pede o afastamento de Sergio Moro do cargo de ministro da Justiça. Os advogados dizem que Moro se comporta como um delegado de polícia e demonstram preocupação com a democracia e a liberdade de expressão no país.

Para advogados, Moro se comporta como “delegado de polícia”
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A manifestação acontece depois do site The Intercept Brasil divulgar uma série de reportagens com conversas de Moro com procuradores da operação “lava jato” mantidas no aplicativo Telegram.

“O ministro se comporta como Delegado de Polícia, que dirige o inquérito policial, inspetor de polícia, que realiza diretamente os atos de investigação, como Ministério Público, selecionando o que entende deve ser a prova, e como juiz, deliberando a respeito da destruição de informações. E ainda, instado a se pronunciar sobre os graves fatos que formam o conteúdo das mensagens e que demonstram ilegalidades atribuídas a ele, quando juiz federal, assume ao mesmo tempo a condição de vítima”, diz o manifesto.

Para os advogados, ao continuar no cargo, Moro “age como se fosse seu dono, dono do país, das leis, do direito e da liberdade alheias. Enfim, age como soberano e impõe a exceção como regra”.

Assinam o documento os juristas Lenio Streck; Geraldo Prado; Celso Antônio Bandeira de Mello; os advogados Alberto Toron; Aury Lopes; Marco Aurélio de Carvalho; Weida Zancaner; Roberto Podval; Antonio Carlos de Almeida Castro (Kakay); a desembargadora aposentada Kerarik Boujikian; entre outros.

Clique aqui para ler a nota.

 

Por; Fernanda Valente/ Conjur / Foto; Reprodução

31, julho, 2019|