Fórum de Sorriso promove trabalho de reeducandos na Comarca

Reinserção no mercado de trabalho e promoção da condição de dignidade humana são alguns dos fatores que levaram a Comarca de Sorriso (390 km ao norte de Cuiabá) a dar oportunidade a dois reeducandos que, atualmente, prestam serviços no Fórum. Uma ação que mostra a preocupação que transcende os gabinetes com o dever social. O trabalho é realizado no período vespertino, com fiscalização por responsável, e o serviço tem se desenvolvido a contento.
A idealizadora do projeto e responsável pela Vara de Execução Penal local, juíza Emanuelle Chiaradia Navarro Mano, explica que é feita triagem junto ao Centro de Ressocialização de Sorriso (CRS), para averiguar aqueles reeducandos com perfil para o trabalho externo, na forma do artigo 36 e seguintes da Lei de Execução Penal.
Após a seleção, a magistrada indica o nome do reeducando ao diretor do Fórum, que, após submetê-lo a avaliação psicológica, aloca o selecionado no departamento, de acordo com o perfil e capacidade profissional. Recentemente, um reeducando que prestava serviço à Comarca de Sorriso, de maneira satisfatória, teve a progressão do regime reconhecida, uma vitória não só do apenado, mas de todos que participaram desse momento de preparação para o exercício das atividades como egresso do sistema prisional.
Além de reeducandos prestando serviços junto ao fórum, a juíza conta que já autorizou a participação de trabalho externo junto ao horto florestal. Ela ressalta que até hoje nenhum deles descumpriu qualquer ordem legal dos superiores, colaborando com a sociedade e utilizando a oportunidade como preparação para a reintegração social futura.
“Aproveito para parabenizar o trabalho desenvolvido por Enilson Castro, diretor do estabelecimento prisional, não só em capacitar reeducandos para o trabalho externo, mas, sobretudo, para o desenvolvimento do trabalho interno. Os reeducandos da Comarca de Sorriso fazem excelente trabalho com madeiras, inclusive com a confecção de móveis, armários e prateleiras, que já foram cedidas, gratuitamente, para diversos órgãos públicos”.
Um dos reeducandos é Vanderlei Marques da Silva Junior, que é empresário e está cursando a faculdade de Direito. Ele recentemente progrediu no cumprimento da pena para o regime semiaberto e se mostrou extremamente satisfeito e reconheceu a oportunidade de desenvolver habilidades com o trabalho no Fórum de Sorriso, agradecendo aos colegas e a magistrada Emanuelle pelo que tem aprendido.
“Projetos como esse abrem importantes portas para a ressocialização, demonstrando para a sociedade que existe possibilidade de mudança dos reeducandos. Certamente minha vida ficará marcada com essa experiência, deixando claro que não vou desperdiçar a oportunidade que recebeu do poder público, dos juízes e servidores com quem tem trabalhado”.
De acordo com o juiz Érico de Almeida Duarte, diretor do Foro, o trabalho para os reeducandos caracteriza-se como oportunidade de aprimoramento e reinserção social, não se descurando da fiscalização correlata. Segundo o magistrado, mesmo antes de assumir como diretor do Fórum, a Comarca já contava com um reeducando em colaboração com os trabalhos forenses. “Continuamos oportunizando a realização dos trabalhos por aqueles que pretendem uma segunda chance”, disse ao enfatizar que só trabalha no fórum, como voluntário, quem apresenta perfil para tanto e se mostra extremamente interessado em colaborar com a prestação jurisdicional.
Por; Dani Cunha/ TJMT
7, maio, 2019|