Estudantes de Santo Antônio de Leverger perdem o ano por falta de transporte escolar

Pais representando cerca de 20 crianças e adolescentes da comunidade Estância Arruda Pinto, há 40 quilômetros do município de Santo Antônio de Leverger, em Mato Grosso, reivindicam o direito de estudar. Há quase seis meses longe da escola, por falta de transporte escolar regular, estão com o ano letivo comprometido e estão com o futuro escolar ameaçado. Ontem, terça-feira (27.08), um grupo de pais buscou a Câmara Municipal de Santo Antônio de Leverger para cobrar dos vereadores resolução para o impasse que já perdura a mais de meio ano.

O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), por meio do presidente, Valdeir Pereira, tem acompanhado o desgoverno no município e mais uma vez denuncia a ingerência e o descompromisso quase imoral com a Educação, na atual gestão.

Segundo relatos, as irregularidades, a má qualidade do serviço de transporte escolar são uma realidade em todas as comunidades de Santo Antônio, com agravante na Estância Arruda Pinto.  O problema foi levado ao Ministério Público em 2019, depois que os estudantes perderam o primeiro bimestre escolar. O MPE fixou multa de R$ 2.000,00, no mês de março, caso a prefeitura não cumprisse a decisão, relata Marcelo Campos, um dos pais, que está com dois filhos sem frequentar as aulas e com faltas há meses, por ausência de transporte escolar.

Porém, a determinação do Ministério Público Estadual foi ignorada pelo prefeito num recorrente abandono e desassistência para os estudantes da comunidade. “Terra de ninguém. Essa é a impressão que fica”, afirma o ex-vereador do município, Marcelo Queiroz, que acompanha as lutas das famílias para garantir os estudos dos filhos da Estância Arruda Pinto.

A escola fica a 15 quilômetros da Estância, na comunidade Porto de Fora, e a Kombi que translada os estudantes – 14 no período da manhã e cinco à tarde – deveria levar também outros cinco estudantes da fazenda Tamandaré, na região. Ambas as localidades dependem desse transporte. Contudo, os alunos que moram na Tamandaré estão com uma carona solidária, o que não é possível para os 19 estudantes da Arruda Pinto, que permanecem sem estudar.

“Enquanto a Educação não for prioridade das autoridades políticas vivenciaremos esses casos absurdos de negligência com o futuro de crianças, jovens e adolescentes”, destaca o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira.

*imagem dos pais na Câmara de Vereadores e ônibus em conserto na área da prefeitura

 

 

Assessoria/Sintep-MT

28, agosto, 2019|