ELEIÇÂO: Crimes eleitorais levam 27 à cadeia em Mato Grosso

O número de prisões por envolvimentos em crimes eleitorais já chega a 27, conforme dados do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e repassadas à imprensa pelo juiz Lídio Modesto da Silva Filho no início da tarde de hoje,7. Sorriso (a 418 quilômetros de Cuiabá) é o município com o maior número de prisões. Até o momento, foram 13.

Um assessor político, cuja identidade não foi divulgada, foi preso com a quantia de R$ 8 mil, que seria destinada a compra de votos em Sorriso (a 418 quilômetros de Cuiabá).

A prisão foi realizada por policiais da Força Tática, que flagraram o homem com um montante de ‘santinhos’. Ele estava com uma caminhonete S10.

Na mesma cidade, um adolescente foi apreendido por suspeita de ofertar cestas básicas em trocas de votos. Se autuados, ambos poderão responder por corrupção eleitoral.

Uma das prisões no Estado aconteceu com um índio que estava com 70 títulos de eleitores e queria votar em nome de todos da sua aldeia. Após uma pequena confusão, as forças de segurança conseguiram prender o indígena, que mora em Guarantã do Norte.

Outra situação aconteceu em Brasnorte (a 562 km de Cuiabá). Militares do Exército foram recebidos a flechas, pois os índios não queriam votar na aldeia e sim na região urbana. No entanto, houve uma decisão do Pleno, que manteve a sessão para a aldeia.

“Foi após termos conseguidos fazer contato com o exército. Um magistrado que esta atuando naquela zona eleitoral juntamente com pessoal da Funai.  Demorados cerca de 30 minutos com essa inconsistência e ela foi solucionada”, disse.

Das prisões, oito foram por desobediência, quatro por boca de urna, por causar tumulto (1), transporte de eleitores (1), corrupção eleitoral (3), além de dois candidatos presos por suposta boca de urna.

7, outubro, 2018|