Educadores falam dos desafios em busca da educação de qualidade na rede estadual

O Dia da Educação, comemorado neste domingo, 28 de abril, será de reflexão nas escolas da rede estadual de ensino e toda a comunidade escolar está convidada para os debates. Para professores e assessores pedagógicos, a educação está no caminho certo, mas alguns desafios precisam ser superados.

No entendimento da assessora pedagógica de Várzea Grande, Geovani Rodrigues Pires Provenzano, a educação brasileira nos últimos anos passou por mudanças significativas tanto em relação a ampliação do acesso quanto os recursos investidos. “Entretanto, para que a educação de qualidade seja efetivada, alguns pontos precisam ser avançar, como o ensino articulado às tecnologias”, ressalta.

Em seus 25 anos de carreira, a professora Solange Aparecida Menegatti também concorda que a caminhada para uma educação de qualidade é longa. Ela destaca que é preciso enfrentar a adversidade do dia a dia em busca de coisas melhores para os estudantes. “Os nossos alunos vêm com uma grande expectativa à escola e temos que ter um olhar especial para eles”, assegura.

Alex Rufino, da Assessoria Pedagógica de Cuiabá também concorda que a educação precisa melhorar. “Os grandes desafios da educação de hoje são melhorar os índices educacionais, na questão da proficiência em língua portuguesa e matemática, otimizar a estrutura escolar e as condições de trabalho dos professores”. Ele acredita ser necessário aparelhar tecnologicamente as escolas, pois os alunos vivem na era digital e os professores precisam acompanhar esse ritmo.

A diretora da EE Honório Rodrigues, Kátia Garcia, localizada em Várzea Grande, acredita que os desafios na educação são muitos e em várias instâncias ou esferas, como financeira, estruturais, sociais, políticas e pedagógicas.  “Oferecer um ensino de qualidade não se faz sem desafios, ensino com qualidade exige compromisso de todas as partes, União, estados, municípios, profissionais, pais e estudantes. Esse é o maior desafio”, ressalta.

Em Rondonópolis, a assessora pedagógica Ester da Silveira aponta que um dos desafios atuais é garantir a aprendizagem nos níveis esperados, garantir a qualidade de ensino dos professores.  “Precisamos acima de tudo promover metodologia e técnicas de ensino proficientes”.

Debate nas escolas

Para celebrar o Dia Mundial da Educação, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) propôs às escolas um estudo com informações e esclarecimentos. Como sugestão, os diversos segmentos escolares deverão fazer um trabalho de abordagem sobre a educação com qualidade, que é um dos direitos básicos de todo cidadão.

Segundo o superintendente de políticas de educação básica da Seduc, Márcio Tadeu Magalhães, será uma reflexão geral e o resultado deverá ser exposto no mural da escola para que todos tenham acesso. “A ideia é fazer um trabalho com a comunidade, com a participação de todos os segmentos escolares”, destaca.

Magalhães lembra que, durante todo o ano, os educadores têm muitas oportunidades de fazer uma reflexão nas unidades escolares sobre o resultado de seus trabalhos. “O dia da educação é um momento oportuno para pensar realmente sobre o trabalho que se realiza na direção de construir cidadãos que saibam ler, escrever, que tenha possibilidade de aproveitar oportunidades para construir uma nova sociedade”, ressalta.

Resultados

Márcio Tadeu explica que o material encaminhado para as escolas é para que todas aproveitem o momento de um debate mundial sobre a qualidade da educação e cada escola possa refletir os resultados produzidos até aqui.

O superintendente salienta que, em relação aos desafios propostos pelo Dia Mundial da Educação, é preciso caminhar na direção de melhor aprendizagem, melhores oportunidades para nossos jovens e crianças que frequentam a escola pública em Mato Grosso. “A educação não acontece somente no ambiente escolar, mas em todos os espaços. A família está incluída na educação. A própria convivência na comunidade também contribui nesse processo”, ressalta.

Origem

O Dia da Educação surgiu em 28 de abril de 2000 na cidade de Dakar, no Senegal, encerramento do Fórum Mundial de Educação que teve a participação de representantes de 180 países incluindo o Brasil. Na ocasião, os participantes assinaram um documento com compromisso de levar a educação básica e secundária a todas as crianças e jovens do mundo. A Organização das Nações Unidas (ONU) estimava que o número de analfabetos adultos era de 880 milhões, cerca de 20% da população mundial.

Em Seul, na Coreia do Sul, em 2015, um documento avaliou os avanços dos países que assinaram o texto 15 anos antes. Alguns indicadores mereceram destaque, como o número de crianças e adolescentes fora da sala de aula, que caiu pela metade. Esses dados constam no “Relatório de Monumento Global EPT — Educação para Todos“, divulgado pela ONU.

 

 

Redação JA

Por; Adilson Rosa | Seduc MT

28, abril, 2019|