Dona de ‘quintal cuiabano’ elogia projeto Verde Novo

29/01/209 – “Esse projeto é uma excelente contribuição com a cidade, justamente porque possibilita as pessoas a terem um olhar diferente sobre o meio ambiente. Os autores desse movimento estão de parabéns. Minha família tem feito nossa parte na luta a favor do verde, e continuaremos determinados com espírito de manutenção e conservação ambiental”.

É com esta visão que a engenheira sanitarista e artista plástica Rosylene Aparecida de Moraes Pinto classifica o Verde Novo que já disponibilizou, desde o lançamento, em 2017, mais de 25 mil mudas de árvores nativas e frutíferas para serem plantadas na Capital. O projeto, uma iniciativa do Poder Judiciário de Mato Grosso, por meio do Juizado Volante Ambiental (Juvam), Prefeitura de Cuiabá, Instituto Ação Verde e Grupo Petrópolis, é um presente que compõe as celebrações dos 300 anos da cidade.

Rosylene Pinto, que é servidora pública estadual, conta que o amor por plantas começou literalmente em 2003 quando o pai dela plantou uma muda de mangueira e uma de cajueiro no terreno, no Bairro Paiaguás, que, anos depois, construiu a própria casa. “Nossa! Mudamos até o projeto da construção, quando decidimos diminuir meu quarto, para não cortar a mangueira”, diz, sublinhando que o marido, Nilton Pereira Pinto, contador e funcionário público federal, também é um entusiasta pelo verde, pela vida.

“Ele molha as plantas todos os dias à noite. É uma terapia, e um prazer”, frisa a engenheira, e o resultado por essa dedicação, na opinião dela, é garantir um espaço com sombra, o chamado ‘quintal cuiabano’, que, além de natural, deixa o ambiente mais fresco.

Essa naturalidade, segundo a artista plástica, especialista em esculturas, é  também porque o plantio não segue nenhum ordenamento. “Simplesmente plantamos”. Depois da mangueira e do cajueiro, Rosylene e o marido plantaram pé de amora, limão, cajá-manga anã, banana da terra, abacate, pequi, ipê-branco, coqueiro e outra infinidade de plantas ornamentais. “É muito bom, e temos orgulho do nosso canto”, assinala, dizendo que praticamente todos os dias toma café da manhã, embaixo da mangueira, ao som de pássaros.

E o período de produção das espécies frutíferas é o momento de compartilhar com familiares, vizinhos e amigos. “Não conseguimos consumir tudo. Então, chamo meus familiares, posto no facebook para os amigos virem e ainda colocamos frutas em caixas, na porta de casa, para que a vizinhança pegue o que quiser”. Ela conta que no ano passado a mangueira superou e deu muitos frutos, acima da média de anos anteriores. “Foi fantástico, muito lindo”.

A conscientização dos cuiabanos Rosylene e Nilton serve de inspiração para o Verde Novo. A intenção dos parceiros do projeto é realizar, pelo menos, 150 ações ao longo deste ano e promover a distribuição, o plantio de mudas, e, além do principal, sensibilizar as pessoas sobre a importância de rearborizar a Capital mato-grossense.

“Vamos intensificar nossas ações, porque o nosso destinatário é o cidadão de Cuiabá”, assegura o idealizador do Verde Novo, o juiz titular do Juvam, Rodrigo Curvo. E na agenda semanal do projeto de plantio e distribuição de mudas de árvores tem atividade toda semana.

Por; Álvaro Marinho

29, janeiro, 2019|