Desembargador leva mensagem de perseverança a estudantes de Direito

Muita dedicação, trabalho, perseverança e foco. Esses são os atributos destacados pelo desembargador Paulo da Cunha como essenciais para os estudantes de Direito conquistarem uma carreira profícua no futuro. Nessa quarta-feira (9 de outubro), o magistrado recepcionou 42 alunos do quarto semestre da Faculdade Cândido Rondon, que pela primeira vez vieram à sede do Tribunal de Justiça de Mato Grosso para conhecer suas dependências e o funcionamento da instituição.

“Todos nós devemos ter sonhos. A vida sem sonho não tem sentido, mas também devemos realizá-los e essa realização exige muita dedicação, trabalho, perseverança e foco. Isso é o importante para nós”, discorreu o magistrado aos futuros juristas. “O TJ sempre estará de portas abertas para recebê-los. É muito bom para nós e também para vocês. Para nós porque temos essa simbiose entre o Poder Judiciário e para vocês porque amanhã estarão no mercado de trabalho do Direito”, assinalou.

No bate-papo com os universitários, o desembargador também os aconselhou profissionalmente. “Estamos vivendo um momento de pós-verdade, onde uma versão deturpada tem mais valor que o fato, as chamadas fake news. Não se esqueçam, como estudante e profissional: não julguem pelo que vocês ouviram dizer”, assinalou. Paulo da Cunha ressaltou a importância de ter sonhos, mas também a importância de trabalhar para tornar esse sonho realidade, “ainda mais que a competitividade está em todo lugar.”

Os alunos das duas turmas foram recepcionados no Espaço Memória do TJMT, onde puderam conhecer um pouco mais sobre o passado da instituição e receberam um glossário jurídico, após terem feito um tour pela sede e assistido a uma sessão criminal.

Segundo Ronaldo Meirelles, professor de Processo Penal e Direito Material Penal da instituição, os alunos ficam muito empolgados com a proximidade da sala de aula e a questão prática, “principalmente quando eles identificam que algum dos temas que foi votado é visto em sala de aula. Isso traz um pouquinho mais de confiança e reforça também a posição da unidade de ensino em relação à competência, capacidade e formação do caráter do profissional”, pontuou.

Conforme o professor, a universidade trabalha no campo do conhecimento, então, nesse sentido, as aulas são mais expositivas e teóricas. “Quando temos a oportunidade de retirar os acadêmicos da universidade e trazê-los para a parte prática, nós diminuímos a distância que existe, esse endeusamento das pessoas que são responsáveis pela tomada de decisão. Podemos fazer com que o acadêmico tenha contato com essa atmosfera do Poder Judiciário e, de certa forma, tenha contato também com a questão prática. Isso estimula bastante e faz com que eles se encorajem a cada vez mais ingressarem na carreira, tanto da advocacia, como podendo vislumbrar o papel do Ministério Público e do Poder Judiciário”, salientou.

Aos 28 anos, o estudante Neverson Cruz quer se tornar advogado criminalista. Pela primeira vez na sede do TJMT, ele disse ter achado o ambiente muito acolhedor. “Gostei de tudo e achei muito interessante a audiência que assistimos. Nós alunos pudemos prestigiar a defesa que os advogados fizeram, foi muito inspirador. A mensagem do desembargador foi totalmente motivadora, fiquei muito feliz”, avaliou.

Kaic David, 20 anos, que também pretende ser advogado, assinalou que foi muito bom ter conhecido a sede da Corte mato-grossense. “Quem me conhece sabe que eu sempre tive vontade de vir aqui, de entrar aqui dentro, e ver como que funcionava e como é a estrutura e o ambiente por dentro. É um sonho realizado, algo que eu sempre quis, e eu gostei muito”, pontuou.

A visita guiada foi conduzida pelo servidor Neif Feguri e faz parte do projeto Nosso Judiciário.

pOR; Lígia Saito / Fotos: Alair Ribeiro

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

10, outubro, 2019|