Desembargador José Zuquim revoga cautelar imposta a Paulo Taques no recolhimento domiciliar noturno

No caso, mais de 50 pessoas são acusadas de cobrar propina em troca da manutenção no Detran do contrato de concessão e execução das atividades de registros dos contratos de financiamentos de veículos com cláusula de alienação fiduciária, de arrendamento mercantil e de compra e venda com reserva de domínio ou de penhor.

Segundo informações o Site Olhardireto, na ocasião, para obter êxito, a empresa supostamente favorecida se comprometeu a repassar parte dos valores recebidos com os contratos para pagamento de campanhas eleitorais. Estima-se que foram pagos cerca de R$ 30 milhões em propina.

Além de Paulo Taques, foram presos durante a operação o ex-deputado estadual Mauro Savi, o irmão de Paulo, advogado Pedro Jorge Zamar Taques e os empresários Roque Anildo Reinheimer, José Kobori e Claudemir Pereira dos Santos. Todos já estão em liberdade.

O desembargador José Zuquim Nogueira, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), acatou pedido do ex-secretário de Casa Civil, Paulo Taques, e revogou medida cautelar de recolhimento domiciliar noturno. O ex-membro do Poder Executivo é denunciado em processo proveniente da Operação Bereré, por fraudes no Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Entre os mais de 50 denunciados estão deputados estaduais, o ex-governador Silval Barbosa, seu chefe de gabinete, Sílvio Cézar Corrêa Araújo, o ex-deputado federal Pedro Henry, e o ex-presidente do Detran, Teodoro Moreira Lopes, o Dóia, que também é delator do esquema.

 

Redação JA/ Foto; Reprodução

17, agosto, 2019|