Confiabilidade e transparência: TRE sorteia seis urnas eletrônicas para serem objeto de auditoria

27/10/2018 – Na manhã deste sábado (27/10) seis urnas eletrônicas foram sorteadas para serem objetos de auditoria. O sorteio aconteceu no plenário do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso. Toda a sociedade foi convidada a participar do evento, que foi transmitido ao vivo pelo Canal do Youtube (veja no final da matéria a relação das urnas sorteadas).

Das seis urnas sorteadas, três serão destinadas à “Votação Paralela” e três destinadas à Auditoria da Integridade do Sistema.

 

Entenda como funciona a Votação Paralela: passo a passo

 

1: Distribuição das cédulas de votação:  1.600 cédulas de votação foram distribuídas em escolas públicas para que os alunos votassem em um dos candidatos, branco ou nulo. Na véspera da eleição, as cédulas devidamente preenchidas são colocadas dentro de uma urna de lona, que é lacrada, para ser aberta no dia da eleição durante a votação paralela.

 

2- Sorteio das urnas eletrônicas: no sábado – véspera da eleição, são sorteadas três urnas eletrônicas – que na ocasião já estarão sob a proteção da Zona Eleitoral. Das três urnas sorteadas, uma deve ser necessariamente de Cuiabá e duas do interior de Mato Grosso. Após o sorteio, uma equipe, formada por servidores do TRE e policiais federais, é designada para buscar as urnas sorteadas e para isso, fica à disposição o meio de locomoção necessário (carro, barco ou avião). A urna eletrônica sorteada pode estar em qualquer município de Mato Grosso, do mais próximo ao mais distante.

 

3 – Realização da votação paralela: no dia da eleição, acontece a Votação Paralela, cujo procedimento inicia e termina nos mesmos horários da votação real. Na ocasião, a urna de lona é aberta e os votos nela guardados são cantados, um a um, e inseridos nas urnas eletrônicas. Todo o procedimento é filmado e aberto ao público.

 

O objetivo é auferir se as urnas eletrônicas estão registrando corretamente os votos nela inseridos. É o momento de verificar se o equipamento está computando mais votos para determinado candidato do que realmente ele recebeu; ou se deixou de registrar um voto recebido. É o momento que a sociedade tem de aferir como a urna eletrônica se comporta e se de fato registra corretamente os dados inseridos. Ao final do dia, os votos oriundos da lona têm que conferir com o resultado da urna eletrônica.

 

 

Entenda: Auditoria da Integridade do Sistema

 

Essa auditoria, embora mais simples que a Votação Paralela, também é importante para demonstrar a lisura e segurança das urnas eletrônicas. Neste, as urnas eletrônicas sorteadas não são retiradas da seção eleitoral para que sejam auditadas. O Juiz Eleitoral, o membro do Ministério Público, fiscais de partidos e outras autoridades se deslocam até a urna, ocasião em que verificam a integridade e autenticidade do sistema nela instalado.

 

Urnas sorteadas para a Votação Paralela:

·         Zona 51ª de Cuiabá/MT, seção 136, instalada na Escola Estadual Professor Benedito de Carvalho, na qual estão aptos a votar 292 eleitores.

·         Zona 05ª de Nova Mutum, seção 118, instalada na Escola Municipal Lucia Faccio Tasca, na qual estão aptos a votar 372 eleitores.

·         Zona 01ª de Cuiabá, seção 983, instalada na Escola Estadual Professor Ulisses Cuiabano, na qual estão aptos a votar 376 eleitores.

 

Urnas sorteadas para a Auditoria da Integridade do Sistema:

·         Zona 46ª de Rondonópolis, seção 054, instalada na Escola Estadual Maria de Lima Cadide, na qual estão aptos a votar 326 eleitores.

·         Zona 36ª de Vera, seção 69, instalada na Escola Estadual Nossa Senhora Perpetuo Socorro, na qual estão aptos a votar 363 eleitores.

·         Zona 57ª de Paranatinga, seção 14, instalada na Escola Estadual de 1º e 2º graus Osvaldo Cândido Pereira, na qual estão aptos a votar 335 eleitores.

 

Por: Andréa Martins Oliveira  – Assessoria

27, outubro, 2018|