CAGED: Serviços, Indústria de Transformação e Construção Civil puxam geração de 129,6 mil novos postos de trabalho em abril

Os setores de Serviços, Indústria de Transformação e Construção Civil foram responsáveis por gerar a maior parte dos 129,6 mil novos postos de trabalho em abril. Este foi o melhor resultado para o mês desde 2013. Os dados constam no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, divulgado nesta sexta-feira (24) pelo Ministério da Economia.

Segundo o coordenador geral de estatísticas da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Mário Magalhães, o mês de abril é, tradicionalmente, um mês de geração bastante positiva de empregos. O especialista aponta que o nível de emprego aumentou principalmente na agropecuária (13.907 postos); no comércio (12.291 postos) e na administração pública (1.241 postos).

“Você tem de um lado a agricultura, principalmente no Centro-Sul. Começa os períodos de safra, principalmente com o plantio do café, da cana-de-açúcar e da laranja. Passa o período chuvoso. A construção civil retoma as suas atividades. As demandas pelos serviços e comércio também voltam ao normal. Para você ter uma ideia, os setores que mais geraram emprego no comércio são os setores de supermercados e hipermercados, onde há predominância de produtos alimentícios”, afirma.

De acordo com os números do Caged, todas as regiões apresentaram melhora na geração de empregos, com destaque para o Sudeste, que criou 81.106 postos formais. Na sequência, aparecem as regiões Nordeste (15.593), Centro-Oeste (15.240), Sul (14.570) e Norte (3.092).

A pesquisa mostra ainda que os maiores saldos positivos foram registrados em São Paulo (50.168), Minas Gerais (22.348), Paraná (10.653), Bahia (10.093) e Maranhão (6.681). Entre os quatro estados que apresentaram saldo negativo, o maior recuo ocorreu em Alagoas, com o fechamento de 4.692 vagas de emprego.

Este é o terceiro ano consecutivo de saldos positivos e crescentes no mês, número que, segundo informações da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, reflete a recuperação do contingente de empregos formais em abril desde 2017.

No acumulado do ano, de janeiro a abril, foram gerados mais de 313 mil e oitocentos postos de trabalho e o estoque de empregos chegou a 38,5 milhões.
Redação JA/ Foto Reprodução

Por; Cintia Moreira/ AG Brasil

24, maio, 2019|