Café no Escritório: Judiciário e demais órgãos públicos discutem otimização dos serviços

Com o propósito de debater soluções para otimização dos serviços prestados à sociedade, a 2ª Edição do Café no Escritório reuniu no auditório Gervásio Leite, na sede do Poder Judiciário de Mato Grosso, representantes dos órgãos públicos do Estado e especialistas no tema de gerenciamento por processos de negócio. O presidente do Poder Judiciário, Carlos Alberto Alves da Rocha, inaugurou o evento falando da relevância e necessidade de unir forças em prol de uma gestão mais eficiente no Poder Público. “Os órgãos públicos têm recursos humanos e materiais finitos, ao mesmo tempo em que as entregas devem ser eficientes e eficazes e a melhoria dos serviços são solicitados pela sociedade”, anunciou.

 

Para o coordenador de Planejamento do TJMT, Afonso Maciel, o encontro foi singular, pois discutiu assuntos essenciais na busca pelo aperfeiçoamento da gestão dos poderes. “Sem dúvida é um evento impar e nós do Poder Judiciário estamos felizes por receber todas as demais unidades do poder público. Esse ambiente sinérgico que foi criado com a presença de todas as instituições é muito importante porque cria o foco no melhor atendimento ao cidadão. O objetivo maior é melhorar a entrega de resultados por parte do servidor público para a sociedade. Teremos um resultado efetivo se todos seguirem na mesma direção, com o mesmo objetivo, foco e o engajamento necessário. Cientes que o serviço público precisa resignificar e alcançar a excelência dia após dia”, pontuou.

 

O diretor da EloGroup, Luis Takada, reiterou durante sua participação que o setor público vem passando por dificuldades financeiras e a sociedade vem cobrando melhor qualidade na prestação de serviços. “E as técnicas antigas e tradicionais de resolverem esses problemas não vem funcionando. Sem tecnologia e sem inteligência artificial fica muito difícil conseguir romper essas barreiras. Então a proposta que nós trazemos é: cada dia mais ir adicionando inteligência na forma de prestar esses serviços. Dando celeridade aos processos, sem retirar o capital humano que pode ser redirecionado em todo o seu potencial para cumprir outras tarefas”, comentou.

 

Alessandro Micelli, especialista em engenharia e gestão por processos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) explicou que tanto as instituições públicas quanto privadas precisam buscar encontrar uma gestão eficiente e que traga resultados. “Esse é um movimento muito positivo e as instituições já perceberam que essa pauta é imprescindível e deve ser recorrente nas organizações. A imagem das instituições públicas como burocráticas está sendo mudada. Digitalizar o máximo que pudermos, colocar controles e aferições desses trabalhos. Esse é o estopim de um movimento muito maior que segue em direção a organizações mais bem geridas”, comentou.

 

Durante o evento, realizado na tarde de quinta-feira (dia 19), foram apresentados casos de sucesso e palestras com especialistas de nacional e internacional. Essa foi a segunda edição do evento, desta vez organizado pela equipe do Escritório de Processos da Coplan-MT.

 

Por; Ulisses Lalio

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

20, setembro, 2019|