Agilidade processual: TJ de MT é o primeiro do país a unificar secretarias criminais

De um modelo burocrático para um sistema moderno com funcionamento simplificado. Este é o caminho que está sendo traçado pelo desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha na administração do Poder Judiciário. E a mais recente ação, que proporciona maior aprimoramento à prestação jurisdicional em Mato Grosso, é a unificação das três secretarias das Câmaras Criminais, em funcionamento na segunda instância, do Tribunal de Justiça.

“Com a unificação das secretarias, Mato Grosso passa a ser o primeiro tribunal do país a utilizar esse modelo de gestão”, assegura o presidente do Tribunal de Justiça, acrescentando que as mudanças estão sendo implantadas com a dedicação e empenho dos colegas magistrados e servidores.

A ideia da unificação dos feitos criminais, pautada no planejamento estratégico do biênio 2019/2020, e que começa na prática a partir de hoje, quarta-feira (17 de abril), é agregar os processos num único espaço e, na visão do presidente do Tribunal de Justiça, esse mecanismo melhora a prestação jurisdicional e torna a justiça mais efetiva, mais acessível e com resultados mais ágeis. Esse salto de otimização e qualidade colocará a Justiça mato-grossense em destaque nacional.

“É mais um avanço que estamos percorrendo, dentro de um caminho sem volta”, anuncia o desembargador Orlando Perri, ex-presidente e decano do Tribunal de Justiça, destacando que a atual conjuntura, com tecnologia sempre crescente, agilizará o trabalho. “Estamos em novos tempos, concretamente”, sublinha Perri.  “Nosso Judiciário é de vanguarda, e tem sido desbravador. Então, vamos prosseguir nessa rota, e, com isso, garantir mais celeridade processual”, evidencia o desembargador Juvenal Pereira da Silva.

“Chegamos ao futuro com um projeto inovador, com metodologia de trabalho que aponta resultados com mais precisão e eficiência”, diz a coordenadora Judiciária do TJ, Mariely Steinmetz. “Fizemos o processo de unificação exatamente em noventa e nove dias, com o envolvimento de todos. E, agora, certamente, passaremos a ser modelo para outros tribunais. Isso é muito gratificante”, salienta Steinmetz.

Nos dados da Secretaria Unificada, atualmente, tramitam 3.669 autos no  Processo Judicial Eletrônico (PJe) e 815 físicos. “Essa unificação é um fator histórico, e dará melhor fluxo aos processos. Fico feliz com a inovação que passamos a experimentar”, descreve o corregedor-geral da Justiça, desembargador Luiz Ferreira da Silva.

“Logo, a partir dessa experiência, coloremos em funcionamento também a unificação das secretarias das Câmaras Cíveis”, avisa o presidente do TJ, desembargador Carlos Alberto. A inauguração foi prestigiada, além de servidores do TJ, por magistrados e juízes auxiliares da Presidência e da Corregedoria da Justiça, e pelos desembargadores Maria Helena Povoas (vice-presidente do TJ), Gilberto Giraldelli, Rondon Bassil Dower Filho,  Alberto Ferreira de Souza e Paulo da Cunha.

Redação JA

Por; Álvaro Marinho/ TJMT

18, abril, 2019|