Advogado aciona “Pitbull Tático” junto a Corregedoria da PM por agressão, ameaça e tortura

O advogado Isaque Levi Batista dos Santos (27) acionou, nesta quinta-feira (15/08), o tenente João Paulo Moura de Arruda (27), também conhecido como “Pitbull Tático”, junto a Corregedoria da Policia Militar por, supostamente, tê-lo agredido, ameaçado e torturado.

Conforme representação, no dia 09/06/2018 (sábado), na Avenida Arquimedes Pereira Lima (Avenida do Moinho), região do bairro Altos do Coxipó, por volta das 2h30, à vítima foi abordada pela guarnição do policial, na época lotado no batalhão do bairro Tijucal, que ordenou para que o senhor Isaque Levi fosse embora do local, mas segundo a vítima estava esperando um passageiro “por fazer bicos de uber em tempos vagos”, contudo a justificativa não impediu que o policial o agredisse com socos e pontapés. Na época efetuou a representação contra o tenente no próprio Batalhão do bairro Tijucal, porém, não obteve retorno.

De acordo com a vítima, no último dia 08 (quinta-feira), durante uma “batida” (revista policial) feita pela equipe da Força Tática no bairro Pedra 90, foi reconhecida pelo policial agressor que a empurrou, e a manteve por mais de uma hora com as mãos na cabeça, ainda, ameaçando caso fizesse nova representação, dizendo: “você é vagabundo”, “advogadinho de merda”, “eu sei onde você mora, o carro que dirige e o local que trabalha”, “se vier atrás de mim de novo vou acabar com sua vida”.

O Policial já possui diversas denúncias junto a Corregedoria da PM por abusos, inclusive, responde um processo por homicídio junto a Justiça. Sendo que no último dia 09 do corrente mês (sexta-feira), o Ministério Público Estadual, por meio do promotor Allan Sidney, da 13ª Promotoria, encaminhou Ofício a Corregedoria solicitando informações acerca do “Pitbull Tático”, que apesar de diversas denúncias de agressão, tortura e morte, segue nas ruas fazendo operações na Força Tática.

A representação feita pelo advogado foi direcionada a corregedora da PM/MT, coronel Ridalva Reis de Souza, que dará seguimento a denúncia.

 “Não me sentirei ameaçado por quem seja, não serei covarde que nem meu agressor que utiliza de sua autoridade para agredir as pessoas, farei da justiça minha clava forte que nem diz o Hino Nacional, e seguirei até o fim com a denúncia, sem temer por minha integridade física ou própria morte, desejo ver esse cidadão fora da Polícia e preso”, afirmou a vítima.

 

 Assessoria de Imprensa

17, agosto, 2019|